Buscando Emprego? Veja 3 dicas que podem dar uma forcinha!

O mercado de trabalho, por vezes, é cruel. Se você é iniciante, geralmente perde oportunidades bacanas por não ter a tal famigerada experiência. Se você é veterano, por vezes é rejeitado por possíveis vícios adquiridos em outras empresas ou até mesmo pelo que almeja na carreira (salário, cargos, benefícios, etc).

A realidade é que vagas existem, e não são poucas. Dezenas de portais de emprego espalhados pela Web, tal como o JobTonic, oferecem centenas e até milhares de vagas em todo o Brasil.

O grande desafio é encaixar suas habilidades e conhecimentos com as necessidades e particularidades das empresas e, para te ajudar nisso, abaixo seguem algumas dicas.

1. Currículo enxuto: Muitos profissionais montam seus currículos inserindo os mínimos detalhes que aconteceram durante sua carreira. Isso parece importante, mas não tanto. O interessante é pontuar as qualificações, formações e experiências de maior destaque e não criar um mapa completo da carreira. A maioria dos recrutadores, quando interessados num currículo, aprofundarão mais sua pesquisa num contato mais próximo. Além de pontuar os destaques, é importante criar um resumo de habilidades que considera importante expor.

2. Currículo atualizado: Isso parece o básico do básico, mas não é! Muitos criam um currículo no início de carreira e depois de 3, 5 anos continuam apresentando a mesma coisa. Oras, durante este tempo você teve experiências, aprendeu uma língua, participou de um curso importante, se formou na faculdade, etc. Só não infle seu currículo com qualquer palestra, workshop, etc. Ah não ser, claro, que você esteja iniciando sua carreira, aí sim alguns pontos mais básicos podem ser inseridos. Mas, numa próxima atualização, substitua-os por pontos superiores conquistados.

3. Seja ousado(a): O básico todo recrutador já espera encontrar num currículo. Mas que tal ousar um pouco, fazer algo diferente, usar alguma habilidade sua para chamar a atenção do recrutador? Por exemplo: Se você fala inglês (inglês mesmo, nada de “inglês básico”, pois isso não ecxiste!), por que não “convidar” o recrutador, em inglês, a terem uma conversa nesta língua? Se você domina realmente o que faz/conhece, não tenha medo de colocar uma pitadinha de ousadia para aguçar a curiosidade. Só não exagere!

Bom, estas são apenas três dicas rápidas de dezenas que poderíamos enumerar aqui. O segredo não está somente em “correr atrás” para arrumar um emprego, mas também no planejamento deste “correr atrás”. Se não houver um mínimo de planejamento você pode ficar andando em círculo sem sair do lugar. Pense nisso!