Hormônios: Confira as funções desses mensageiros que regulam a saúde do corpo


Com a finalidade de enviar mensagens sobre o funcionamento dos órgãos, os hormônios cumprem a tarefa de “mensageiros” de nosso organismo, já que percorrem a corrente sanguínea carregando informações de diferentes tipos. Porém, é preciso que estejam equilibrados para que funcionem corretamente.

Produzidos em excesso ou em quantidade insuficiente por glândulas ou órgãos, os hormônios podem afetar prejudicialmente a saúde. Isso acontece porque essas substâncias químicas têm a finalidade de se “comunicarem” com o organismo, ou seja, levam informações e instruções entre as células, para que possam indicar o funcionamento adequado de diversas glândulas e órgãos de nosso organismo. Além disso, os hormônios são responsáveis por controlar, de maneira indireta, o metabolismo corporal, bem como a quantidade de líquidos, entre outras funções.

Segundo médicos endocrinologistas, as mudanças hormonais podem ser provocadas tanto por herança genética, tanto por fatores ambientais e de estilo de vida ou, o que costuma ser mais comum pela soma de ambos.

De acordo com os profissionais consultados, isso acontece porque a genética costuma ter uma grande influência, entretanto é preciso considerar outros pontos do indivíduo. Por exemplo, se uma mulher se exercita excessivamente e possui baixo peso, sua produção hormonal pode ficar comprometida, interrompendo o ciclo menstrual.

Importante ressaltar de que a combinação oposta também pode prejudicar a saúde, principalmente na produção de insulina, que fica comprometida em pessoas sedentárias e com peso em excesso, o que pode levar ao diabetes.

Outra situação corriqueira é quando a produção hormonal fica desequilibrada em razão de estresse psíquico e físico. Atualmente, uma substância que vem preocupando muito os especialistas na área médica é o bisfenol A, elemento presente no revestimento de latas, utensílios e embalagens plásticas.

Segundo especialistas, foram constatados casos de alterações no sistema hormonal de pacientes por doses tóxicas destes elementos presentes em embalagens plásticas.Isso acontece porque o bisfenol A é absorvido no organismo através da contaminação de alimentos e líquidos ingeridos que tenham sido expostos a este elemento.

O bisfenol A é um assunto altamente discutido entre os médicos endocrinologistas, sendo foco de um debate realizado em 2012 pela Sociedade de Endocrinologia e Metabologia. Atualmente a substância é controlada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que permite a liberação-limite de 0,6 miligrama da substância por quilo de material plástico.

As principais glândulas e seus hormônios são:

“Ilhotas” de Langerhans, células do pâncreas que determinam a produção de insulina, hormônio que provoca diabetes, caso esteja em falta no organismo;

Ovários e testículos: as glândulas sexuais;

Supra-renal ou adrenal: produzem hormônios que controlam a pressão arterial e os processos imunológicos;

Paratireóides: produzem o paratormônio (PTH), que controla o cálcio no organismo;

Hipófise: responsável pela produção de inúmeros hormônios, como a prolactina, que estimula a amamentação e a produção do leite, bem como origina a produção de cortisona; na tireoide, provocando, em caso de descontrole, hipo ou hipertiroidismo, e no controle de água no corpo.

Muitos outros hormônios são conhecidos pela Medicina, porém representam menor impacto ou não são ainda conhecidos ao ponto de terem a sua produção controlada pelos médicos.

De acordo com especialistas, é possível ter controle e até cura de diversos males acarretados pelo desequilíbrio hormonal. E para isso um grande aliado é o diagnóstico precoce, principalmente se o paciente possui histórico familiar de problemas na tireoide ou diabetes, devendo deixar o seu médico sempre informado.

Além disso, preste atenção a alguns sintomas que podem ser indício de problemas hormonais: frio intenso, exagero ou redução de urina, irritabilidade, cansaço, difícil controle de pressão, alteração na libido e menstruação, edemas, alteração de peso, sede constante, entre outros.

Nas mulheres, as mudanças no ciclo menstrual podem ser as grandes aliadas para obter um diagnóstico mais precoce nas alterações hormonais. Dessa forma, procure sempre um médico endocrinologista para verificar se a produção dessas substâncias químicas está controlada.

 Por Selma Isis