Dicas para prevenir enchentes em sua casa


Todo início de ano é a mesma coisa: muitas cidades brasileiras, em especial nas regiões Sul e Sudeste do país, sofrem com os problemas decorrentes das enchentes. Em janeiro, foi a cidade de Xerém, no interior do Rio de Janeiro uma das mais prejudicadas, deixando um rastro de destruição e centenas de desabrigados.

As enchentes decorrem da ocupação desordenada que há décadas diminui a permeabilidade do solo em decorrência da multiplicação de áreas pavimentadas e construções. Com as mudanças do clima notadamente acentuadas atualmente, esse problema tende a crescer cada vez mais.

Isso acontece porque a paisagem urbana impermeabilizada reduz as áreas de escoamento e amplia a velocidade da água chegar a rios e várzeas, ou seja, altera o ciclo natural da chuva. É evidente de que a natureza não tem culpa, já que as inundações são o reflexo da inconsequência da interferência humana, porém, é possível tentar reduzir os estragos que fizemos com o meio ambiente, até mesmo porque se trata de um problema de todos.

Segundo especialistas, para resolver o problema é fundamental a adoção de modelos alternativos para a construção de imóveis. E é nesse ponto que as construções sustentáveis estão sendo cada vez mais procuradas, pois oferecem soluções para ampliar as áreas de absorção e retardar o escoamento.

O atual conceito de construção sustentável é amplo e abrange formas de minimizar os danos das obras ao meio ambiente, transformando as instalações em grandes aliadas da natureza. E para isso as construções sustentáveis costumam ter recursos voltados a deixar o solo mais permeável.

Para deixar o solo das construções mais permeáveis, existem diversas medidas, como usar superfícies permeáveis, as chamadas calçadas ecológicas, com a inclusão de um gramado, jardim ou uma horta em casa, por exemplo. Além disso, o projeto arquitetônico deve incluir canteiros com caídas para a área permeável e pisos porosos.

Também está muito em alta na pisogramas ou pisos drenantes que podem ser aplicados em quintais, garagens, varandas, calçadas, entre outros. São produtos de fácil instalação, sendo fixados sobre uma manta especial ou terra compactada, que podem ser encontrados no mercado em diversas texturas, cores e formas.

Segundo especialistas, os pisogramas ou pisos drenantes podem se ligar a jardins ou canteiros, oferecendo liberdade para o arquiteto ou paisagista elaborar um projeto personalizado. Telhados verdes são opção alternativa e acessível capaz de reter a água das chuvas, retardando o seu escoamento, bem como promove a redução de ruídos, manutenção de temperatura e filtração de ar.

Os telhados verdes são nada mais do que coberturas feitas na laje do imóvel com gramas, arbustos ou flores e precisam de que seja instalada uma estrutura para impermeabilizar a área, como mantas onduladas ou placas de condensado.

Outra medida cada vez mais adotada nas construções mais recentes, é o reaproveitamento da água da chuva. Além de ajudar a evitar enchentes, a ação ajuda a economizar recursos naturais. A solução já vem sendo adotada por grandes empresas, mas também pode ser utilizada em qualquer imóvel por meio da construção de um sistema de captação, filtragem e armazenamento das águas das chuvas através de calhas que as enviam para um tanque subterrâneo com filtro.

A água acumulada não será potável, entretanto, pode ser usada para regar jardins, lavar carros, descarga, limpeza de pisos, entre outras atividades. Além de proteger a natureza, ainda garante uma economia relevante no final do mês.