Planejamento Financeiro: Dicas de especialistas para reorganizar as finanças para o próximo ano


Planejamento Financeiro: veja dicas de profissionais da área

Estamos a poucas semanas para o Natal, período em que os gastos aumentam completamente, já que costuma ser uma época tradicional para a troca de presentes, realização da ceia e que coincidem com as viagens de final de ano.

Não é à toa de que grande parte dos brasileiros entra no vermelho quando começa o novo ano, já que além dos gastos típicos das festas de Natal e Ano Novo, terão que arcar com as despesas típicas do início de ano, como impostos como IPVA e IPTU, bem como as matrículas e materiais escolares dos filhos.

E para começar 2013 sem recorrer a empréstimos, que costumam cobrar juros exorbitantes e que podem comprometer ainda mais o orçamento familiar, é preciso realizar um planejamento financeiro bem elaborado.

Segundo especialistas, o planejamento financeiro familiar é um processo de aprendizado e conhecimento sobre os desejos e possibilidades de cada pessoa. Trata-se de uma prática que necessita ser seguida para a boa administração do orçamento familiar, pois deixa as despesas, dívidas, investimentos, patrimônio mais claros.

O primeiro passo é determinar os objetivos da família sobre seus desafios nos próximos anos, sendo que a partir disso, é preciso saber aonde se deseja chegar e envolver todos os membros da família nessa missão.

E para se chegar a esse objetivo, vale listar todas as despesas da casa, um dos pontos mais importantes para iniciar o planejamento familiar. Todos os gastos devem ser considerados como despesas, exceto aquilo que esteja sendo dirigido para alguma conta de investimento que a família já possua.

Para iniciar o processo, especialistas em economia orientam começar com alguns itens que compõem um planejamento básico inicial. Dessa forma, ficará mais fácil visualizar e provavelmente se recordar das despesas que se incluem em cada um dos itens, que são:
Sobrevivência: Aqui se incluem as despesas básicas, como: água, luz, supermercado, vestuário, além dos gastos com moradia, como aluguel, IPTU e condomínio;

Educação: Despesas como as mensalidades escolares, faculdade, material escolar, livros, cursos, passeios pedagógicos com as crianças, enfim, tudo que esteja diretamente ligado com a educação da família;

Gastos do dia a dia: Normalmente é nessa parte da planilha em que se encontram os maiores excessos e surge o “ralo” por onde está escoando o seu dinheiro. São as despesas  com os passeios nos finais de semana, com o automóvel, transporte, presentes, roupas e sapatos, telefonia fixa/móvel, cafezinhos na padaria, cantina da escola, idas ao cabeleireiro, entre outros.

Contas de investimentos: Nessa parte da planilha temos a parte do dinheiro trabalhado para que a família possa realizar, a médio e longo prazo, seus maiores sonhos, além de servir de uma segurança financeira para emergências. Importante ressaltar de que investimento é tudo aquilo que lhe traga mais dinheiro. Caso a sua compra não lhe traga nada de lucro, não se trata de um investimento, mas sim de uma aquisição.

É claro de quem dentro de cada item é possível nomear os locais onde o dinheiro foi gasto com seus valores respectivos. Dessa forma, será possível ver onde está o “ralo” da planilha. Feito isso, chega o momento de sentar e conferir a planilha pronta, sendo que deve fazer parte da vida dos membros da família, pois todos se sentirão úteis para colaborar para o sucesso financeiro familiar.

Por Selma Isis