Blefarite: Inflamação nas pálpebras pode aparecer por diferentes causas


Blefarite (Inflamação nas Pálpebras)

Nome genérico dado à infecção nas pálpebras, a blefarite manifesta-se trazendo sensações incômodas tanto na região palperal como nos olhos. Entre os sintomas mais comuns do problema estão: coceira, sensação de ter areia ou algo pinicando nessa região do rosto.

Especialistas apontam que a blefarite divide-se, basicamente, em dois tipos: a anterior e a posterior. Na blefarite anterior, o médico oftalmologista percebe que os cílios contam com uma espécie de “caspinha”, sendo que o problema manifesta-se com irritação, vermelhidão e coceira. Além disso, existe também uma blefarite do tipo anterior em que aparecem pequenas ulcerações na borda da córnea.

Já o segundo tipo de blefarite, a posterior ou meibomite, que afeta as glândulas de Meibômio. Se a camada de gordura sofre modificações, a lágrima evapora mais, o que acaba deixando o olho irritado.

Tanto um tipo como o outro podem surgir por causa de uma infecção provocada por estafilococos, bactérias que vivem sobre a pele. A diferença é que, no primeiro tipo, a inflamação ocorre somente na margem palperal, enquanto que no segundo, os estafilococos penetram nas glândulas. O terçol é um bom exemplo de blefarite posterior, que é uma inflamação avermelhada que surge na borda da pálpebra.

Outra possível causa da blefarite está relacionada à oleosidade da pele, que pode levar à blefarite seborreica. Nesse caso, segundo os oftalmologistas, as glândulas passam a produzir uma secreção mais espessa. Isso acontece porque como é pequeno o orifício por onde sai a substância, ele entope.

Trata-se de uma origem comum do problema, porém são várias as causas, podendo, por exemplo, ocorrer uma blefarite devido a uma alergia. Segundo os especialistas, 90% das queixas dizem respeito a um desconforto leve, mas o problema se apresenta em graus variados, podendo, inclusive, levar ao ressecamento do olho.

Além disso, a doença tem a chance de se manifestar de forma crônica ou aguda. Segundo oftalmologistas, quando é prolongado o tempo da infecção, aparecem as alterações mais importantes, como as cicatrizes, surgindo, dessa forma, uma blefarite crônica.

Dessa forma, para tratar e prevenir a blefarite, médicos indicam manter o hábito de deixar as pálpebras sempre higienizadas. Para isso, os especialistas recomendam usar xampu com pH (grau de acidez) neutro, de preferência, produtos infantis, que contém formulação que geralmente possuem essa característica.

Em caso de dúvidas, nunca coce os olhos e marque uma consulta o quanto antes com um médico oftalmologista de sua confiança. Ele é o profissional mais indicado para diagnosticar e indicar o tratamento mais adequado ao seu caso.

Por Selma Isis