Coma: Ausência de interação com o meio é vivida por milhares de pessoas todos os anos


Segundo projeções da Sociedade Brasileira de Terapia Intensiva (Sobrati), a cada hora que passa, 400 pessoas entram em estado de coma no Brasil, sendo que a cada 100 pessoas nesse estado, 20 não sobrevivem, dez evoluem para um estado vegetativo persistente e 70 acordam e conseguem se recuperar.

O coma foi tema de uma recente novela exibida na TV Globo: “A Vida da Gente”. Exibida no horário das 18h00, a trama abordou a vida da jovem Ana (Fernanda Vasconcelos), uma promissora tenista, que entrou em um coma profundo após um grave acidente de carro.

Quatro anos depois, quando já estava desacreditada pelos médicos, acorda e descobre que sua irmã Manu (Marjorie Estiano), casou-se com o seu ex-namorado, Rodrigo (Rafael Cardoso), e que os dois cuidam de sua filha, Júlia (Jesuela Moro).

Na vida real, um dos casos mais recentes de coma que emocionou o país, foi o do cantor Pedro Leonardo, que ficou meses em coma após um acidente de carro após um show em Goiás e atualmente se recupera com a ajuda e o carinho dos familiares, como o pai, o cantor Leonardo.

Derivada da palavra grega “kõma”, que significava originalmente, “sono profundo”, atualmente é caracterizado pelos médicos como a perda total ou parcial da consciência, quando os reflexos nervosos estão bem diminuídos ou não apresentam resposta.

Segundo especialistas, o coma é o indício de um rebaixamento importante do nível de consciência, a ponto da pessoa não conseguir estabelecer um contato com o mundo. Importante ressaltar de que os casos de coma da vida real, ao contrario da ficção, no caso dos comas reversíveis, o médico consegue resolver rapidamente, oferecendo uma melhor recuperação neurológica.

Já se o paciente demora muito para acordar, pode acontecer outras complicações, que podem levar a uma piora no quadro geral, como por exemplo, infecções, convulsões e pneumonias. As lembranças do período em que a pessoa está em coma- sejam relacionadas a sonhos ou a situações vividas no período em que está desacordada- são comuns, porém, conforme os médicos, só ocorrem quando o paciente está em um estágio próximo da consciência, próximo a acordar.

Segundo os médicos, existe um momento em que o coma vai se superficializando, e o paciente, no fundo, pode perceber alguma coisa. Isso acontece quando ele está melhorando e despertando, mas não é possível se ter certeza de que está acordado.

Dessa forma, os médicos recomendam aos parentes de pessoas que estão em estado de coma, que conversem com ele, porque às vezes, ele pode necessitar de um estímulo correto para ter alguma reação e demonstrar de que está acordado. Isso acontece porque existem casos de pacientes que não reagem com os médicos e enfermeiros, mas sim com os parentes.

O apoio da família e de uma equipe médica capacitada, é fundamental para que o paciente possa se recuperar de um coma longo. Isso acontece porque para que ela necessita de sessões de terapia ocupacional, fonoaudiologia e fisioterapia para obter o mínimo de independência.

Leia a seguir alguns cuidados que você deve ter com um parente ou amigo que está em coma:

Durante o coma:

-Procure conversar, colocar músicas e ler histórias, que ajudam o paciente que está em coma superficial, pois ele necessita desse estímulo para que possa reagir e demonstrar de que está acordado;

-Procure manter a pele do paciente sempre bem hidratada, evitando machucados;

-Movimente a pessoa de duas em duas horas, trocando sua postura, para evitar ferimentos decorrentes da pressão da pele;

-Sessões de fisioterapia devem ser realizadas com frequência, para evitar problemas musculares, além de cuidados com a alimentação.

Após o coma:

-O paciente deve continuar com as sessões de fisioterapia para recuperar a sua coordenação motora;

-Para que o paciente possa reaprender a se comunicar bem, as sessões de fonoaudiologia também são importantes;

-Para entender a sua situação, especialistas recomendam que o paciente conte com apoio neuropsicológico, que também pode ajudar tanto ele como sua família a superarem o momento.

Por Selma Isis