Trastuzumabe: Remédio para câncer de mama será fornecido pelo SUS


Além de sofrerem com efeitos colaterais resultantes da quimioterapia, como queda de cabelo e fortes dores em todo o corpo, pacientes com câncer de mama costumam ter dificuldades na hora de obter medicamentos para o tratamento da doença, em especial os de alto custo.

Mesmo pacientes que contam com caros seguros de saúde, costumam receber uma “canseira” para a liberação desses medicamentos, que exigem conservação especial (mantidos em caixas de isopor e refrigerados), que costumam custar em média, R$ 5 mil.

Por ser parte integrante do tratamento oncológico, muitas pacientes precisam entrar judicialmente para receber o medicamento, já que é preciso correr contra o tempo para que o tratamento de combate ao câncer seja eficaz.

Mas, nesta semana, foi divulgada uma boa notícia para as pacientes com câncer de mama. No dia 23 de julho o Ministério de Saúde anunciou a inclusão do medicamento de alto custo Trastuzumabe (Herceptin), na lista dos medicamentos fornecidos para tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS).

O Trastuzumabe é um importante aliado no combate à doença, já que reduz em até 22% os riscos de morte, bem como ser um dos mais eficazes para evitar o seu possível ressurgimento. Recomendada em aproximadamente 25% dos casos de câncer de mama, a droga, de aplicação injetável, é um dos medicamentos mais procurados para o tratamento do câncer de mama e custa de R$ 5 mil a R$ 10 mil.

Destinada a uso hospitalar, no estado de São Paulo, já estava sendo repassada a hospitais estaduais como o Hospital Estadual Mário Covas, situado em Santo André, na Região do Grande ABC Paulista. Com essa medida, daqui a seis meses- que foi o prazo estabelecido pelo Ministério da Saúde- o medicamento estará disponível para tratamento em outros hospitais conveniados ao SUS em todo o Brasil.

Os médicos especialistas em tratamento oncológico costumam elogiar a medicação, por ser mais eficaz e menos tóxica, pois atua de maneira agressiva no tumor, e ao mesmo tempo é bem tolerada pelas pacientes. Em geral, as pacientes costumam receber uma aplicação da droga a cada três semanas, posteriormente ao tratamento quimioterápico recebido no hospital. Vale lembrar de que o medicamento também pode ser usado de maneira preventiva bem como após procedimentos cirúrgicos.

E para disponibilizar o Trastuzumabe nos hospitais conveniados ao SUS em todo o Brasil, o Governo Federal irá investir R$ 130 milhões ao ano para a sua aquisição. E para incluir a droga na lista de medicamentos fornecidos pela rede pública o Ministério da Saúde realizou debates durante um ano junto a médicos especialistas e autoridades de saúde na Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec), para avaliar a sua eficácia e eficiência no tratamento do câncer de mama, tanto na forma inicial como avançada.

Segundo tipo de câncer mais comum do mundo: o câncer de mama é o que afeta mais as mulheres. O Ministério da Saúde estima que surjam a cada ano, 52,6 mil novos casos da doença no Brasil. A doença é mais comum entre mulheres com mais de 50 anos, e tem altas chances de cura caso seja identificada precocemente, por meio de exames como a mamografia, que deve ser realizada periodicamente pelo ginecologista.

Por Selma Isis