Micose: Problema é mais comum no verão


Estamos no auge do verão, e teremos pelo menos até o dia 20 de março muito calor pela frente. Com as temperaturas altas, transpiramos mais, e frequentamos mais a praia ou piscina, onde estão presentes fungos que provocam micoses na pele.

As regiões mais afetadas pelas micoses são os pés, áreas entre os dedos das mãos e dos pés, virilha e axilas. Mas as regiões do corpo que é sem dúvidas, são mais atingidas pela micose são os pés. Dermatologistas explicam que o calor é propício para a proliferação de bactérias e fungos que causam a micose.

Como existem espécies variadas de fungos, somente um médico dermatologista pode diagnosticar cada tipo de micose, mas, existem alguns pontos que podem ajudar a identificar se você está ou não com micose.

A micose que atinge a parte externa da pele, ao redor das unhas e do cabelo surge na forma de manchas amareladas ou avermelhadas, que costumam ter um aspecto áspero. Além disso, as coceiras nessas regiões são bastante comuns.

E o pior é que se a micose não for tratada, dermatologistas advertem que a micose pode passar de uma pessoa para outra, bem como se espalhar por outras partes do corpo. Dessa forma é preciso ter muito cuidado, já que a micose se transmite com facilidade, em especial por entre as unhas, bem como ela pode se alastrar para as outras unhas e para a pele.

Outro fator que pode favorecer a proliferação da micose é se a pessoa está com a imunidade baixa. Dentre os fatores que provocam a redução da imunidade, deixando a pessoa mais vulnerável a doenças e micoses, estão: estresse, má qualidade do sono, exposição excessiva ao sol e má alimentação.

Depois de diagnosticada a micose, o tratamento da doença é demorado, podendo durar de um a dois meses. Os médicos dermatologistas costumam tratar as micoses através de talcos, pomadas, cremes e loções que tenham formulação à base de secativos, antibióticos e cicatrizantes.

Como a micose é incômoda, além do tratamento ser demorado, prevenir ainda continua sendo o melhor remédio. Leia a seguir algumas dicas simples que ajudam a evitar o problema:

– Evite andar descalço em pisos molhados ou úmidos, especialmente em vestiários coletivos de clubes, saunas ou academias. Nesses locais, use sempre chinelos de borracha;

– Lave os pés utilizando sabonetes bactericidas;

– Não compartilhe escovas, pentes e muito menos toalhas de outras pessoas;

-Quando for fazer os pés ou as mãos na manicure, confira se a profissional possui instrumentos esterilizados ou descartáveis, como lixas, tesouras e alicates, ou leve o seu próprio kit de manicure quando for ao salão de beleza;

-Prefira usar sempre roupas íntimas de tecidos naturais, especialmente o algodão;

– Após o banho, sempre seque muito bem as regiões do corpo que tenham dobras, locais preferidos dos fungos e bactérias, como as axilas e virilha, bem como os espaços entre os dedos;

– Andar pela praia é uma delícia, pois além de bronzear favorece o condicionamento físico, mas nunca se esqueça de caminhar pela areia da praia com os pés calçados.