Informações de como financiar um veículo: veja se vale a pena adquirir um carro novo financiado

Com a chegada do fim de ano e do 13º salário, muitas pessoas se sentem tentadas a comprar um carro novo, ainda mais porque as montadoras realizam “feirões” com os lançamentos de modelos 2012, cheios de novidades. Mas, se você pretende comprar um carro novo, é preciso ter muito cuidado na hora de optar por pagá-lo de forma financiada, medida que não costuma ser muito recomendada pelos economistas.

A melhor recomendação é optar sempre por comprar o veículo à vista, com o dinheiro investido na poupança, pois as concessionárias dão descontos nessa forma de pagamento. Mas, como a compra do carro à vista não é uma realidade na vida dos brasileiros, já que mais da metade dos veículos zero quilômetro são vendidos financiados, nesse caso não tem jeito, dessa forma, confira as formas de financiamento e escolha a mais adequada ao seu caso.

Existem três modalidades de financiamentos oferecidos para adquirir veículos zero quilômetro ou com até sete anos de uso: Crédito Direto ao Consumidor (CDC), leasing e consórcio.

Crédito Direto ao Consumidor (CDC):                   

Nessa forma, o financiamento é realizado junto a bancos privados ou públicos, sendo que o cliente deve entrar em contato pessoalmente com o gerente de sua agência bancária, para verificar se o seu salário é compatível com as prestações do veículo a ser financiado.

Por meio de uma análise da renda do cliente, o banco irá definir os são valores e as prestações que deverão ser pagas pelo cliente. O CDC tem a vantagem de ser realizado diretamente entre cliente e o banco, não sendo necessária a intermediação da concessionária responsável por vender o automóvel.

Além disso, pelo CDC é possível estabelecer as taxas de juros que deverão vigorar durante o financiamento, já que elas são estabelecidas desde o início do contrato e não são alteradas enquanto as prestações estão sendo pagas. Porém, é importante ressaltar de que o cliente nunca deve atrasar as prestações do financiamento, pois pode correr o risco de perder o veículo, que poderá ser cobrado pelo banco através de uma ação judicial.

Leasing:

É uma espécie de aluguel com opção de aquisição do veículo no final do contrato. Isso porque nesta modalidade é a instituição financeira que compra o veículo, ou uma empresa de leasing, e dessa forma, aluga o carro para o consumidor.

Dessa forma, o cliente irá pagar o aluguel para o banco ou a empresa, que é a proprietária do bem até o final das prestações. Assim que terminar de pagá-las, o cliente passa a ser o proprietário do veículo. Também existem as opções de leasing, na qual o carro é alugado com opção de compra, e o consórcio, no qual o carro só é recebido quando a pessoa é sorteada.

Também nesta modalidade, não existe intermediação da concessionária e os juros já são estabelecidos no contrato, bem como o cliente também pode correr o risco de perder o veículo caso deixe de pagar as prestações.

Consórcio

Esta modalidade é recomendada para quem não tem a necessidade imediata do veículo, além de ser a mais segura. Isso porque o cliente integra um grupo composto por outros compradores, com a organização de uma empresa de consórcios.

O cliente paga uma prestação mensal e pode retirar o veículo quando terminar de quitar as prestações, ou por meio de sorteios, mensais.

Ao contrário do CDC e leasing, as prestações são alteradas, bem como os contratos de consórcio são longos além de ser cobrada uma taxa de administração, mas é a modalidade mais segura, já que se não possui pressa em adquirir o bem, pode quitar todas as prestações e no final, comprar um automóvel novinho. Essa é a melhor opção para quem deseja comprar um automóvel para o filho quando completar 18 anos, por exemplo.

Por Selma Isis