Como se faz o diagnóstico da trombose de seio cavernoso? Apenas a Angioressonância confirma o diagnóstico? Por que ela se confunde tanto com a Hipertensão Intracraniana Idiopática?

Veja algumas questões referente a Trombose de Seio Cavernoso: Como se faz o diagnóstico da trombose de seio cavernoso? Apenas a Angioressonância confirma o diagnóstico? Por que ela se confunde tanto com a Hipertensão Intracraniana Idiopática? É uma questão de anatomia. No artigo, vou tentar explicar do modo mais fácil o possível, até porque circulação liquórica é muito complicada:

1) Uma imagem vista do alto do topo da cabeça, pra vc ver onde é o tal seio cavernoso, que é basicamente um conjunto de veias:

Imagina que alguém cortou o cocoruto fora, e vc tá olhando de cima. Presta atenção onde é o danado do nervo óptico…

2) Parte da drenagem do líquor é feita pelo seio cavernoso. Coisas que “entopem” esse sistema podem causar acúmulo de líquor, aumentando a pressão intracraniana. Até uma TC simples pode ajudar no diagnóstico, mas geralmente a angiorressonância fecha.

3) O líquor é constantemente produzido e reabsorvido pelo sistema nervoso, e uma porção de coisas pode alterar este equilíbrio: um traumatismo craniano, um excesso na produção de líquor (como as crianças com hidrocefalia), uma deficiência na drenagem (como na trombose do seio cavernoso) ou até um tumor no local. É por isso que eu insisto: a hipertensão intracraniana idiopática (sem causa definida, geralmente em mulheres obesas, etc) é um diagnóstico de EXCLUSÃO. O médico precisa necessariamente excluir todas as causas conhecidas de aumento da pressão na cabeça para poder dizer que um paciente tem HII. Afinal de contas, “idiopático” significa “de causa desconhecida” na Medicina.

Vale ressaltar que Hipertensão intracraniana é diferente de hidrocefalia.
– Hipertensão intracraniana: aumento da pressão dentro do crânio (pressão intracraniana ou PIC).
– Hidrocefalia: excesso de fluido no crânio (excesso de líquor), causando dilatação dos ventrículos, e isso acaba levando ao aumento da PIC.

Os ventrículos são cavidades por onde o líquor circula, nesse processo de produção/reabsorção.
Em tese, a hipertensão intracraniana idiopática (HII) é neurologicamente benigna, ou seja, não causa dano ao tecido cerebral, não causa hidrocefalia, etc. O maior estrago é feito no nervo óptico.